Tuesday, April 18, 2006

House

10 comments:

Tropelias said...

O House é muito à frente até falou na Doença de Addison.
E só por isso está em alta...
5 estrelas + 1 de excelência...

João Melo said...

e até já falou em português..Olarilala!!mas realmente é uma série zcelente!!

crack said...

Cara Tropelias, quando pensávamos que depois de Serviço de Urgência não se poderia ir mais longe na ficção sobre o meio hospitalar, aparece esta excelente série, com uma abordagem completamente diferente, entre a modernidade da investigação criminal dos CSI e os filmes de brilhantes diálogos cruzados do velhinho Hollywood.
Espantoso.
(Com produtos destes, como se pode adorar as Desperate Housewifes? Bah!)

crack said...

Caro Menino Mau
Foi um português macarrónico, mas deu para puxar o lustro ao ego nacional.

João Melo said...

que é que se queria ?ele é inglês..para um inglês não esteve nada mau...

Tropelias said...

Antes ohouse em português macarrónico do que a Jessica a cnatar o 'apanhei o pau ao gato'..

As mulherzinhas desesperadas coitadas... são mesmo desesperadamente um horror! Mas dos States tb há produtos assim... k fazer??

João Melo said...

é verdade tropelias..também vi essa entrevista e foi lamentável.mário augusto tem acesso ás maiores estrelas de hollywood e não consegue sacar mais que meia duzia de banalidades..sobre nada..

crack said...

Cara Tropelias, com a desesperada Jessica, o "gato" não está no português...
:)

crack said...

Caro Menino Mau
O Mário Augusto não deverá conseguir fazer muito melhor, no tempo que lhe dão as promotoras. Por outro lado, nem os entrevistados estão dispostos (e sabem?)a dar mais, nem o público alvo daqueles breves interlúdios pretenderá mais substância. Para mim, a questão é outra: quando há tempos o Mário Augusto me dizia o que implicava, em termos de despesa, fazer estes programas, até tive vergonha de ver como se esbanja dinheiro, mesmo que esse dinheiro seja de uma empresa privada. Comprar as entrevistas feitas por outros entrevistadores internacionais saía mais barato e o "produto" era o mesmo. Claro que entrevistados não cantariam o "atirei o pau ao gato", nem diriam que estiveram no Algarve, nem terminariam com um efusivo "Oubrrrigáada"…

Anonymous said...

Eu beijava os pés à Eva Longoria.