Tuesday, February 28, 2006

«as sementes têm sempre uma mão que as espalha»


Este senhor, que aparece identificado como editor, de seu nome Luís Carvalho, tem um artigo no Expresso online, que titulou como Sementes de Violência, no qual aborda assuntos como o assassinato do travesti do Porto, a marginalidade de um ex-concorrente do Big Brother, a ousadia das fotos das Jardins - mãe e filha, e, no que supostamente terá pretendido que fosse o corolário da sua cruzada opinativa, o que ele designa como o fim das baldas dos professores.
Deixo, por supervenientes para esta lide, todos os outros assuntos que lhe puxaram pela veia editorial, e limito-me às baldas dos professores, assunto que não o terá preocupado para além do procurado efeito galvanizante do leitor já predisposto a esfolar o "morto" que ele "assassinou", sem mesmo se ter dado ao trabalho de recolher alguma informação, ou, pelo menos, dedicar ao assunto uns minutos de reflexão.
Pois é, senhor editor, assim não vale, mas mesmo sabendo que recebe por aquilo que aqui debita e que, como qualquer profissional que não seja “baldista”, deveria ter sido cumpridor e eficiente, aqui lhe deixo umas dicas para que, numa próxima vez, pense um pouco antes de escrever. É o mínimo que o seu patrão lhe deveria exigir, já que se vê que não o exige a si próprio.
Devagar e por partes:
- escandalizou-se o senhor editor com o número de 8 milhões de horas de faltas dos professores num ano; não estando aqui em causa qualquer defesa de uma estapafúrdia aceitação/justificação das faltas dos professores como uma inevitabilidade do sistema, é bom que se pense em certos pormenores, que fazem alguma diferença e podem minimizar a “dimensão” do seu escândalo. Por exemplo: (1) já comparou as faltas dos professores, em dias de falta ao trabalho, com as dadas por igual número de outros profissionais, nomeadamente da função pública, para um equivalente período de tempo? Já experimentou comparar o número de faltas encontrado? E esse número continua a justificar-lhe o escândalo? (2) pensou, sequer, que um profissional que tem a sua assiduidade registada hora a hora diverge daquele que tem alguma margem de gestão do seu horário laboral, verificado este apenas às entradas e saídas, e em que, entre plataformas fixas e não fixas, jornadas contínuas, dispensas várias e possibilidades de acumulação de horas, consegue organizar o seu tempo individual e compatibilizar a sua vida pessoal com a profissional, de forma muito mais eficaz? (3) demorou-se um pouco que fosse a tentar perceber a natureza das funções docentes e o que ela implica no exercício da actividade profissional de milhares de professores? Para sua informação, e muito de passagem, lembro-lhe que cada professor tem que dar a cada turma, em cada hora, o máximo de si mesmo, do seu saber, do seu empenhamento, da sua capacidade de atenção e de resposta pronta, correcta e adequada; quantos profissionais “de gabinete” estão sujeitos à mesma pressão? “picado” o ponto, quantos de nós, que trabalhamos à secretária, não interrompemos para um café, um cigarro, dois dedos de conversa, um olhar ao jornal, ou, até, uma “voltinha” na Internet?; o professor não pode fazê-lo e os intervalos entre aulas não chegam, na maioria das vezes, para ir trocar um livro de ponto por outro; e que diríamos nós, familiares, se uma criança nossa chegasse a casa a dizer que abordou um professor no intervalo com uma pergunta e ele o mandou passear?! Nem é bom imaginar, que para cada utilizador da escola, seja, ou não, aluno das suas turmas, a cada professor, em cada momento, desde que entra na escola e até que sai, se exige que não deixe de estar disponível, atento e aprazível. Como vê, são especificidades da profissão, mas que devem ser muito cuidadosamente tomadas em conta, tanto para a criação de condições que viabilizem um bom e eficaz funcionamento das escolas, como para a definição de quais devem ser as exigências a que se sujeitam estes profissionais.
- nem lhe vou repetir uma evidência tão grande que, presumo, não lhe terá escapado – a de que os professores faltam legalmente, isto é, ao abrigo da legislação que os nossos eleitos, no governo, e os nossos representantes, na assembleia, têm entendido produzir; presumo, apenas, que perfilha daquela opinião, há muito enraizada em largas camadas de clientes do sistema educativo, de que ser professor é ser missionário e não apenas um profissional, abrangido por deveres, direitos e garantias, reconhecidamente intocáveis para todos os outros trabalhadores; bom, quanto a maneiras de pensar como é a sua, pouco há a fazer, e não é por acaso que, infelizmente, a escravatura ainda existe, dissimulada por esse mundo; neste caso, melhor teria ficado ao senhor editor clamar por uma rigorosa aplicação da lei, exigindo aos órgãos competentes a fiscalização devida e a actuação adequada, nos casos de abusos comprovados.
- quanto à “poção mágica” de Sócrates, as aulas de substituição, aparecem-lhe como uma grande medida, que, ao que julga, vai acabar com as baldas; ilusão sua, mas coitado, neste caso é apenas mais uma vítima da prestidigitação do governo, que assim ilude os menos informados. Já pensou um pouco sobre o que é, efectivamente, uma aula de substituição? Ela só existe se for dada por um professor da disciplina, que tenha o seu trabalho perfeitamente articulado com o professor titular da turma, caso contrário é, apenas, uma aula de guarda, em que os alunos, por estarem acompanhados por um professor, podem dedicar-se a actividades de socialização, de enriquecimento cultural, ou de estudo, mais positivas, do que as que fariam se estivessem largados à sua própria iniciativa. É um bom instrumento para melhorar a vida interna das escolas e evitar que os alunos ocupem os “furos” em actividades improdutivas, ou, até, perigosas para eles próprios e penalizantes para a organização da escola, mas daí a “vender-se” a iniciativa como a resolução de todos os males da escola e como a panaceia para as dificuldades de aprendizagem dos alunos vai um mundo de diferenças. E para não continuar iludido sobre o fim das “baldas”, peça ao ME uma análise comparativa das faltas dos docentes com este novo modelo de substituição e nos anos anteriores, e vai ver como os números ajudam a clarificar ideias. Entretanto, pode demorar um pouco os olhos em alguns estudos sobre doenças profissionais, conhecer os factores de risco da profissão docente, imaginar o desgaste que dá lidar, em permanência, com um interlocutor hostil e que o impede de concretizar, com sucesso, a tarefa a que se propõe e que lhe compete, e pode perceber que o professor será tudo menos um doente imaginário.
- finalmente, um esclarecimento: o trabalho do professor não é, também, como o de qualquer profissional de gabinete, não se esgota no seu local de trabalho, antes implica trabalho prévio de preparação e trabalho posterior de correcção de testes e de exercícios vários. Portanto, mesmo o professor que apenas esteja obrigado a 23 horas de trabalho na escola fica com 12 horas para esse trabalho profissional a nível individual, isto para trabalhar as 35 horas semanais a que está obrigado; se acha estas 12 horas tempo de mais, experimente ir dar umas aulas e vai ver como é. Aconselho-lhe a experiência, mas aviso-o que ser professor é, efectivamente, uma profissão de risco físico real e de contínuo esforço mental. Se duvida, e porque não deve ir totalmente desprevenido, convém informar-se de quantos casos disciplinares há por ano nas escolas portuguesas envolvendo insultos e agressões contra professores, e quantos docentes foram, só no ano lectivo transacto, parar ao hospital agredidos por alunos, dentro e fora da escola. Se depois de fazer a experiência, ainda achar esta profissão um luxo, venha cá e explique-nos porquê. Pode ser que tenha feito a descoberta do milénio. Até lá, modere a língua (a tecla), para não dizer (escrever) disparates!

15 comments:

Miguel Pinto said...

Os meus parabéns pela qualidade da sua prosa. Quanto ao Sr. Luiz… hummm…é jogador de algum clube?

crack said...

Caro Miguel, obrigado, mas importante é o que escreve no seu imperdível blog:«“A escola a tempo inteiro” serve para ocultar o défice de “Educação a tempo inteiro” do nosso modelo de organização política e social.»
Está tudo (bem) dito!

Arnaldo Madureira said...

Sou professor, reconheço quase tudo o que escreveu neste post, estou habituado a fazer "substituições", tenho interesse sindical no campo da apresentação de soluções para o estatuto dos professores e tenho duas perguntas para lhe fazer:
1. Que actividades concretas devem ser feitas com os alunos nas aulas de guarda?
2. Sabe o que dizem os sindicalistas professores de outros países, quando os portugueses lhes dizem como é a vida dos professores portugueses nes escolas públicas?

crack said...

Caro Arnaldo Madureira
Respondendo às suas perguntas:
1 - Não estando contra o princípio da guarda dos alunos, encontro na obrigatoriedade e "automatismo" que se imprimiram à mesma a causa do disparate em que resultam as consideradas aulas de substituição. Retire-se esse carácter às mesmas e as escolas encontra(m)rão, com relativa facilidade, soluções expeditas e inovadoras, que abrangerão desde o aprofundamento de conteúdos do currículo a actividades de natureza lúdica e cultural, que contribuirão para o desenvolvimento dos alunos. Tal como entendo, não há soluções padronizadas, emanadas de qualquer entidade externa à escola,antes abordagens múltiplas, reflectindo a especificidade de cada comunidade educativa. Tal como escrevi noutro blog, e aqui repito, defendo soluções encontradas por cada escola, num quadro de autonomia forte e no contexto da sua situação particular; regulamentação enquadradora leve e suficientemente ampla, para permitir a diferenciação das estratégias; a solução Blair pode ser um bom princípio.
2 - Sei. E conheço, um pouco, como funcionam escolas em outros países europeus. E daí?

Arnaldo Madureira said...

Caro Crack:
1. A Senhora Ministra da Educação já disse mais do que uma vez isso mesmo, que as escolas é que devem decidir quais são as actividades pedagógicas que os alunos e os professores devem fazer em substituição das aulas a que os professores das turmas faltarem. Então, que o façam! Mas porque é que não o fazem? Por falta de autonomia não pode ser, porque a Senhora Ministra deu-lhes essa responsabilidade. Por falta de recursos, pode ser, mas digam de que é que precisavam e não têm. A terceira hipótese é que não o fazem porque não têm vontade, o que não é aceitável.
2. E daí? Não acha que os professores das escolas públicas, em comparação com os de outros países, têm menos deveres e permanecem menos tempo nas escolas? Julga que os professores ficariam satisfeitos se o governo decidisse, por exemplo, que tinham que tutorar alunos? Em geral, os professores que estão a meio da carreira ou no final não querem fazer mais nada, senão dar as poucas aulas que são obrigados a dar (cerca de 12 horas de aulas por semana) e dizem que precisam das restantes 23 horas para preparar as aulas e corrigir testes e outros trabalhos dos alunos! O problema é este. Estão mal habituados.
3. É claro que, se eu tenho esta opinião, tenho que dar um bom exemplo. Aceitei com boa vontade a extensão dos meus deveres de trabalho a cumprir na escola: as substituições; os reforços de apreendizagem; e os projectos. E ainda dou tempo de reforço, que não sou obrigado a dar, uma vez por semana, depois das 18h30. Acha que eu e os outros colegas que fazem o mesmo é que estamos errados?

crack said...

Caro Arnaldo Madureira
Registo, com apreço, o interesse que lhe tem merecido o que por aqui tenho escrito sobre este assunto. Procurando responder ao seu interessante comentário:

«Não acha que os professores das escolas públicas, em comparação com os de outros países, têm menos deveres e permanecem menos tempo nas escolas?» - Não acho.

«Julga que os professores ficariam satisfeitos se o governo decidisse, por exemplo, que tinham que tutorar alunos?» - A maioria ficaria, sim. Muitos já o fazem, aliás.

«Em geral, os professores que estão a meio da carreira ou no final não querem fazer mais nada, senão dar as poucas aulas que são obrigados a dar (cerca de 12 horas de aulas por semana) e dizem que precisam das restantes 23 horas para preparar as aulas e corrigir testes e outros trabalhos dos alunos!» - Toma o todo pela parte. É uma maneira de estar na vida, respeitável, como qualquer outra.

«Aceitei com boa vontade a extensão dos meus deveres de trabalho a cumprir na escola: as substituições; os reforços de apreendizagem; e os projectos. E ainda dou tempo de reforço, que não sou obrigado a dar, uma vez por semana, depois das 18h30.» - Não estando em causa o mérito da sua atitude, não é caso único, como deve saber.

«Acha que eu e os outros colegas que fazem o mesmo é que estamos errados?» - Numa resposta simplista, como a que pede, não.

Sobre o que a senhora ministra disse e fez, abstenho-me de responder, por desnecessário, face à sua interpretação das palavras e dos actos da governante e ao que já escrevi sobre isso.

Anonymous said...

Experimente pedir a um quadro de uma empresa, ou a um técnico superior da AP que execute tarefas fora do seu conteúdo funcional e vai ver o que lhe respondem.
Se, os professores querem ser tratados como profissionais devem começar por saber o que lhes compete e não compete, fazer.

Leonor said...

os professores faltam?

faltam. sabemos que é verdade. nós podemos faltar menos ou até nem faltar mas há quem falte. e as mulheres ainda mais que os homens.

abraço da leonoreta

Miguel Pinto said...

Caro Arnaldo Madureira
Ainda bem que existe a blogosfera para que a paleta de olhares seja mais colorida. Fico satisfeito por conhecer na blogosfera o primeiro colega a aplaudir e, quiçá, embelezar, as aulas de substituição. É que na escola situada [como eu gosto deste termo] não conheço ninguém [excepto colegas dirigentes] que reconheça o mérito nas benditas aulas [é óbvio que esta apreciação não é possível se for desligada dos contextos de prática educativa].
Caro crack
O meu problema com a blogosfera são as mensagens “spam”. ;)

Anonymous said...

Colega Arnaldo Madureira: sou dos tais professores (professora)em final de carreira (com direito à reforma, mas preferi continuar), nunca permaneci só 12 (14) horas na escola, agora permeneço 24 (fora as reuniões) e de facto as 11 que sobram para trabalho em casa não me chegam porque não vejo só testes e trabalhos dos alunos - tem razão, estou "mal habituada" (como bastantes outros que conheço, mas não podemos conhecer as mesmas pessoas).

Caro Crack: Qualquer intitulado jornalista com emprego num jornal pode escrever o que quiser sobre o que quiser sem nada se informar sobre o assunto, mas também figuras públicas sem emprego em jornais têm seus artigos de imediato publicados mesmo que o tema nada tenha a ver com aquilo em que são conhecedores. Mas, agora, professores (do ensino não superior), mesmo que prestigiados no seio da classe docente, sabem que levará o caminho do lixo algum artigo que tentem enviar - esses não interessam, todos "percebem" de escola menos os professores... E este seu texto, caro Crack, seria publicado?
(Até se falou muito, recentemente, em liberdade de imprensa, de expressão, etc., mas o assunto não deve ter nada a ver com o que estou a dizer...)

crack said...

Caro Luís
Percebo muito bem o que diz, recordo, até, alguns amargos de boca com algumas tentativas minhas, muito voluntaristas e ingénuas, de pôr certos técnicos a fazerem tarefas que "fugiam" da tabela em que se condensava o tal conteúdo funcional, e que eles invocavam com determinação. Fez bem lembrar-me esses episódios. :)
Já quanto aos professores saberem o que lhes compete, a situação é hoje um pouco confusa, admito; mas é conhecida a filosofia e as práticas dos sindicatos do sector e a desinformação que tem sido sistematicamente levada a efeito, para o interior e o exterior da escola, com as consequências que se conhecem. Estes momentos de crise acabam, no entanto, por terem efeitos benéficos, e eu espero que uma maior consciencialização da classe docente seja um deles.

crack said...

Cara Leonoreta
Claro que os professores faltam, seria absurdo pensar que não. Mas importa olhar para as faltas dos professores com realismo, determinar a sua verdadeira dimensão,tentando perceber-lhes as causas, minimizar-lhes as consequências e identificar os casos que configuram desvio da legalidade, para o adequado procedimento. O que se passa, e confrange, é que, quer para o público em geral, quer para o próprio ME, as faltas dos professores são sempre tomadas como culposas, isto é,originadas pela irresponsabilidade e pela preguiça, com total desprezo pelos interesses dos alunos. Resume-se tudo a dizer que os professores são baldas, tal como o autor do artigo referiu. É esta atitude, injusta, que urge mudar, até porque em nada ajuda a resolver o problema, só o agrava.
Passei pelo seu blog. Gostei. Boa música. Já ficou nos favoritos.

crack said...

Caro Miguel
Mesmo com spam, a blogosfera é uma magnífica aventura.
:)

crack said...

Cara IC
Quanta razão no que diz! Mas a comunicação social tem as suas regras e jogos e, infelizmente, o professor baldas "vende" e o professor competente não. A escola degradada, os portões fechados por alunos, populares aos berros contra qualquer professor têm honras de abertura de telejornal, mas das boas escolas, dos bons projectos, de alunos felizes e depais satisfeitos com a escola dos filhos não reza a história. Como dizia o engenheiro refugiado, é a vida!

Arnaldo Madureira said...

Caro colega Miguel Pinto:
Efectivamente, penso que os professores devem estar disponíveis para substituir os colegas que faltarem, supervisionando os alunos ou, se for possível, ensinando. Este dever não tem uma estreia mundial em Portugal. Por exemplo, é um dos deveres dos professores do Reino Unido. Disse e repito que tenho feito muitas substituições com gosto. Já ajudei alunos a fazer trabalhos de casa, já ajudei alunos a prepararem-se para testes, já passei (e comentei) vídeos do National Geographic Magazine para os alunos, já realizei experiências de Física com os alunos (com material que levei para a substituição), já fiz jogos com os alunos. Vai dizer-me que este não é o meu trabalho?
E lamento que a escola não tenha um espaço livre para fazer uma exposição permanente de experiências de Física para onde possa levar alunos cujos professores estejam a faltar.